top of page

A importância de ter um sistema de segurança sobre o seu software nos dias atuais


O movimento de migração para a nuvem

Já faz algum tempo que a migração para a nuvem começou a se consolidar. As causas dessa tendência são notórias, visto que a internet está em constante evolução, mas, apesar disso, sua difusão se espalhou em ritmos variados em cada região.


No Brasil, a migração para nuvem já é uma realidade, a maioria das empresas públicas e comerciais já mudaram ou estão prestes a migrar seus principais serviços para esta modalidade.


Como mostra uma pesquisa, realizada pela Fundação Dom Cabral (FDC), em parceria com a PUC Minas, Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ) e Universidad Autónoma do Chile, que avaliou o nível de maturidade digital do varejo, atacado e distribuidores brasileiros, e mostrou que 36% das empresas já atingiram o grau de maturidade digital necessário.


Enquanto isso, 45% estão implementando a transformação digital e apenas 18% estão iniciando o projeto, sem muitos desenvolvimentos.


Mas a pergunta que não quer calar é: como podemos garantir a migração e operação seguras da nuvem? Veja como fazer isso a seguir.


O redirecionamento e o trabalho em nuvem

A terceirização de dados é um dos princípios básicos da nuvem. Por meio dessa metodologia, as informações que antes se situavam em sistemas localizados da empresa, agora são estabelecidas na nuvem. Isso permite que a empresa acesse e use mais facilmente essas informações de qualquer local e dispositivo.


Antes de começar o processo, é importante perceber que a migração de cada negócio para a nuvem varia de acordo com o setor no qual ela está sendo implementada. Algumas ideias, no entanto, são relevantes para todos os negócios e, justamente por isso, devem ser consideradas.


As consequências de uma migração para nuvem malfeita atingem desde o gerenciamento de carga de trabalho até problemas de proteção de dados.


Problemas como erros de configuração, APIs inseguras, violações de informações e as restrições de acesso são apenas alguns exemplos de perigos comuns neste contexto.


O crescimento da adoção e implementação da nuvem, infelizmente, vem acompanhado do crescimento dos perigos de segurança e exposição de dados, e por isso é importante ficar atento na proteção do seu sistema!


O passo a passo para o fortalecimento da segurança

A abordagem do assunto deve, da mesma forma, ser multivetorial. Não podemos abordar a segurança na nuvem pensando apenas em colocar um firewall ou gerenciar um software anti-malware.


Pensar em segurança na nuvem apenas em termos de controle de software antimalware ou instalação de firewalls é uma atitude muito restrita. Precisamos pensar em como podemos proteger nossos dados de uma maneira mais abrangente.


O fato é que a cada dia que passa, os ataques digitais se “modernizam” A engenharia social - técnica usada por hackers para induzir usuários a enviar dados confidenciais, infectar seus computadores com malware ou abrir links para sites infectados. Um exemplo recente dessa prática é o envio de links via Whatsapp simulando que alguém próximo a você esteja precisando de dinheiro.


Para escolher as estratégias de mitigação mais adequadas para cada cenário, é preciso ter um conhecimento profundo sobre o fluxo de informações nas diversas plataformas. Embora a superfície de ataque seja maior na nuvem, também há mitigações maiores disponíveis, mas elas devem ser usadas adequadamente.



O acesso às informações na nuvem é uma questão que precisa de atenção especial. Atualmente, o usuário pode acessar dados de qualquer local, incluindo o escritório, o aeroporto e seu laptop ou smartphone.


Ao contrário da abordagem anterior de garantir o acesso aos sistemas de processamento, direcionar o gerenciamento para o acesso à informação é algo vital. Da mesma forma, é indispensável garantir que as identidades e o acesso sejam fornecidos de maneira aceitável e segura.


O valor da proatividade

O fato é que a nuvem é uma ferramenta potente para integrar tecnologias. Mas, ao mesmo tempo, isso exige uma abordagem ordenada da segurança, o que significa que identificar e então combater riscos não é suficiente. Em vez disso, é preciso ir mais longe e antecipá-los, para conseguir reagir a eles em tempo real.


Semelhante a isso, cada tecnologia usada para dar suporte à sua organização também pode apresentar novos perigos que não foram levados em consideração no cenário da operação anterior.


Por serem muito estáticas, as estratégias de segurança típicas – que utilizam soluções do tipo SIEM (Security Information and Event Management) – não são mais aceitáveis. Assim, é preciso reagir rapidamente e ter uma compreensão abrangente do que está acontecendo em todo o ecossistema.


O papel e o valor da segurança

Sabemos que os hackers estão sempre procurando diferentes maneiras de tirar proveito das fraquezas dos sistemas de software. Entretanto, se a segurança for priorizada em todo o SDLC – Software Development Life Cycle ou Ciclo De Vida De Desenvolvimento De Software –; tanto desenvolvedores, quanto às partes interessadas, terão mais facilidade para identificar/sanar possíveis preocupações de segurança – além de abordá-las antecipadamente como uma etapa integral no processo de desenvolvimento.


Esta é a responsabilidade do desenvolvedor de segurança de um software ou aplicativo – criar planos e integrações de segurança para um software ou durante todas as fases de seu design e desenvolvimento.

Para encontrar e corrigir esses problemas, engenheiros de segurança qualificados examinam o desenvolvimento de um software do ponto de vista da segurança. Seja qual for a fase do SDLC, para obter um software sólido e confiável, eles incorporam avaliações de segurança, proteções e contramedidas.


O teste de segurança deve receber atenção constante. A segurança de desenvolvimento de aplicativos é conhecida também como garantia de segurança. Ela se concentra na investigação contínua dos códigos e da arquitetura do software durante todo seu desenvolvimento; além de avaliações que simulam ataques cibernéticos.


CONCLUSÃO

Diante de tantas constatações, podemos concluir que um único erro pode custar milhões e que, mesmo as grandes corporações, podem enfrentar riscos. Os ataques maliciosos mais frequentes, como injeções de SQL, injeções de comandos, estouros de buffer e ataques de estouro de buffer de pilha, podem prejudicar seriamente a reputação de uma empresa, afinal o estrago causado pode ser gigante.


Assim, finalizamos este post reafirmando que, com um SDLC seguro, sua organização obterá inúmeras vantagens, como:

  • Eliminação de falhas de projeto antes de sua incorporação no código;

  • Despesas mais baixas, pois os problemas de segurança serão encontrados e corrigidos mais cedo;

  • A necessidade de investir em processos seguros será reconhecida pelas partes interessadas, que não pressionarão os desenvolvedores de software a fornecer produtos mais rapidamente em detrimento da segurança.


Quer saber mais sobre segurança de softwares e muitos outros assuntos? Não deixe de acessar nosso Blog!

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page