Nova Economia: seus princípios e como se destacar neste cenário

Atualizado: 19 de abr.



A chamada Nova Economia é impulsionada pelas rápidas e constantes mudanças tecnológicas. Baseada em princípios como a indústria 4.0, a experiência do usuário e a sustentabilidade, esse conceito guia as indústrias e empresas modernas.

Sobretudo com foco no usuário, a nova economia apresenta um novo método de atuação e geração de valor para as organizações. Com atenção ao bem-estar e na valorização do consumidor, a lógica desse processo visa converter produtos em serviços.


As transformações digitais trazem diversos desafios para se destacar no mercado e reter clientes. Agregar os princípios da nova economia nas empresas é fundamental para se conectar com os consumidores e garantir maior escalabilidade da empresa.

O que é a nova economia?

O termo Nova Economia surge na década de 1980 e é marcado pelas rápidas mudanças no comportamento de compra e no perfil dos consumidores. Essas transformações se dão devido a inserção digital e ao avanço tecnológico.


A partir disso, as organizações precisam inovar nos métodos de vendas e construir soluções para atender um público mais conectado e exigente. Logo, a configuração da relação consumidor/empresa se altera e passa a requerer cada vez mais humanização e pessoalidade.


Além disso, na nova economia a sustentabilidade ambiental e questões sociais também são fundamentais para gerar conexões com os consumidores e construir uma marca forte.


Isso significa que para se manterem ativas, as indústrias precisam se reinventar. Se antes o público procurava as empresas para atender às suas necessidades de compra, hoje isso mudou. São as empresas que precisam atender e ouvir as necessidades do público e integrá-lo ao seus produtos, para garantir uma experiência satisfatória do usuário.

Perfil dos consumidores na nova economia

A característica mais acentuada dos consumidores na nova economia é a hiperconectividade. Se antes da inserção digital os usuários eram passivos e influenciados por propagandas, hoje esses usuários são ativos e com grande poder de decisão, que buscam por personalização e contato direto com as marcas.


Da mesma forma que o compartilhamento constante de informações é outro ponto central na jornada do usuário. Baseiam-se em recomendações confiáveis e em indicações para adquirir serviços e produtos. Se não se sentirem satisfeitos, eles trocam de fornecedor rapidamente.


Além disso, os usuários querem estabelecer conexões com as empresas e buscam por organizações que tenham valores alinhados com os seus. Desejam experiências e produtos personalizados e com propósito.



Pilares da nova economia

Os modelos de negócios passam a adaptar os seus produtos e serviços a este novo perfil de consumidor, através de alguns fundamentos da nova economia.

Propósito

Desenvolver um produto ou serviço com propósito é o primeiro passo para atender os novos usuários. Propósitos geram empatia com os consumidores e determinam os valores da marca. Por isso, é fundamental que o desenvolvimento e venda de um produto esteja aliado com princípios que vão além do lucro e da fama.

Usuário como foco

Conhecer o seu usuário, entender as suas dores e as suas necessidades é essencial para criar soluções viáveis que o consumidor realmente precise. E com isso, gerar conexões emocionais entre o produto e o cliente.

Assim, também é válido lembrar da importância de manter um bom e ativo relacionamento com os consumidores.

Desenvolver demandas

Na nova economia também é possível criar necessidades para os usuários. Soluções inovadoras, criativas e acessíveis podem gerar demandas aos consumidores.

Falhas, novas oportunidades e incertezas

Ser flexível neste processo é fundamental. Com as constantes transformações digitais muitas soluções podem falhar ou serem alteradas. Por isso, é necessário pesquisas e análises contínuas.

Inovar para crescer

Inovação é a base para as empresas continuarem ativas e competitivas. Desse modo, reinventar e adequar produtos e serviços é cada vez mais necessário para cativar consumidores.

Novos modelos de negócios na nova economia

Com a chegada da nova economia, os modelos de negócios sofreram grandes mudanças. Como resultado disso, passaram a ser divididos em algumas categorias.

Criativos

Os negócios criativos estão ligados a uma ruptura dos padrões tradicionais de serviços e produtos e trabalham com bens intangíveis. Como por exemplo, os 'influencers'.

Sociais e de impacto

Essas empresas não têm o lucro como objetivo principal. Antes de tudo o seu foco são as transformações sociais e a geração de impacto positivo na sociedade.

Escaláveis

O modelo de negócio escalável possui a capacidade de escalar rapidamente, seja em seguidores, visualizações ou replicações.

Inovadores corporativos

Neste modelo os colaboradores desenvolvem ideias, inovações e empreendem dentro de corporações em que trabalham, utilizando-se dos recursos financeiros dessa empresa.

Desafios da nova economia

Portanto, na nova economia o foco é o usuário. Para se manterem ativas, as empresas necessitam inserir-se neste novo formato de negócio e desenvolverem soluções e produtos com propósitos. Criando conexões e empatia com o público através da criatividade, da flexibilidade e de profundas análises dos consumidores.

Desse modo, é fundamental estar ligado nas constantes mudanças digitais e do mercado.

Para saber mais sobre o assunto e ficar a frente das tendências de mercado, ouça agora mesmo o episódio Introdução à Nova Economia do Podcast Evoluum.




48 visualizações0 comentário